Além da delimitação consciente das Unidades de Tradução, outra estratégia que pode ser útil ao cacdista nas tarefas de tradução e versão na prova de inglês da terceira fase é o uso, também consciente, de subsídios internos, especialmente porque não é permitido o recurso a subsídios externos, como dicionários bilíngues em geral, textos paralelos ou glossários especializados. Neste post, continuarei reportando à discussão proposta por Fábio Alves no livro Traduzir com autonomia: estratégias para o tradutor em formação, no qual ele fala sobre dois subsídios internos: a memória e as inferências.

No que diz respeito à memória, Alves afirma que ela tem três funções principais: armazenar informações, recuperar informações armazenadas e esquecer informações. A melhor forma de armazenar informações é através do estabelecimento de associações, o que pode acontecer ou por contiguidade, ou por frequência. Isso quer dizer que as melhores formas de armazenamento de informação são por meio do inter-relacionamento de informações (contiguidade) e pela repetição do registro (frequência). Assim, a capacidade de recuperar as informações armazenadas depende, ao menos em parte, da elaboração de uma rede de informações associativa.

Quanto à recuperação da informação, Alves explica que a memória tem duas fases: a memória de curto prazo e a de longo prazo. A memória de curto prazo, a qual inclui a memória visual, é aquela processada quase instantaneamente: ela está sempre disponível e o acesso a ela ocorre quase que de forma inconsciente. Alves dá o exemplo das palavras house, car e dog, as quais, se nos apoiarmos na memória de curto prazo, não teremos dificuldades para traduzir de forma praticamente automática. Entretanto, esses automatismos são perigosos no processo tradutório, já que a tradução requer reflexão consciente. No caso da palavra dog, por exemplo, traduzi-la como cachorro na frase it is raining cats and dogs poderia ser visto como não idiomático. Por isso, Alves argumenta que o processo tradutório se beneficia mais do apoio da memória de longo prazo, a qual ele define como “forma estável de codificação de informações que nos permite sua recuperação consciente por intermédio das redes associativas”. Para Alves, quanto maior o número de associações, maior a capacidade de recuperar a memória. Para ilustrar o que seriam essas redes associativas, Alves apresenta este mapa conceitual:

'Traduzir com autonomia", p. 63.
“Traduzir com autonomia”, p. 63.

Além da memória, há outro mecanismo cognitivo que funciona como subsídio interno no processo tradutório: a capacidade de produzir e processar inferências. Inferir é obter informações que não estão disponíveis de forma direta, e as inferências podem ser de caráter local ou global.  Inferências locais são raciocínios dedutivos possibilitados pelo caráter coesivo do texto. Por exemplo, no diálogo “A: Have you seen Peter? B: He has gone home”, se a frase He has gone home estivesse sozinha, não poderíamos concluir que foi Peter que foi para casa; entretanto, a inferência é possível com as duas frases, devido ao caráter coesivo de he.

Inferências globais, por sua vez, são aquelas que dependem da percepção de relações que vão além das de coerência, dependendo muitas vezes do conhecimento de mundo, por parte do tradutor. Por exemplo, veja a seguinte frase, tirada de um texto com o qual normalmente trabalho com meus alunos:

“It would go to quartering Redcoats to keep away marauding Indians, or to inhibit revengeful ‘Frogs.'”

A compreensão e a tradução desse trecho dependem de inferências globais, já que o tradutor precisaria ter o conhecimento de mundo de que Redcoats (“Casacas Vermelhas”) era o nome dado aos soldados britânicos e de que Frogs é um ethnic slur para “franceses”.

Ter consciência desses recursos de apoio interno é importante para evitar, na terceira fase, problemas tradutórios diversos, como automatismos inapropriados ou mesmo um bloqueio processual. No próximo post, pretendo comentar o capítulo final do livro Traduzir com autonomia, no qual Alves propõe um modelo didático para o processo tradutório, integrando as estratégias de tradução que vimos nesse post e no anterior, ou seja, a delimitação das Unidades de Tradução e o recurso consciente a mecanismos de apoio interno.

Cheers!

Referências:

PAGANO, A.; MAGALHÃES, C.; ALVES, F. Traduzir com autonomia: estratégias para o tradutor em formação. São Paulo: Contexto, 2011.

Anúncios

Uma das estratégias que podem ser úteis para as tarefas da tradução e da versão na terceira fase do CACD é a delimitação consciente das Unidades de Tradução dos textos de partida. Ao menos é isso que nos leva a crer o argumento de Fábio Alves, coautor do livro Traduzir com autonomia: estratégias para o tradutor em formação, cuja proposta é discutir estratégias de tradução que possibilitam a resolução de problemas tradutórios, partindo do pressuposto que o tradutor deve ter consciência das decisões que toma ao longo do complexo processo tradutório.

Mesmo que apenas intuitivamente, sabemos que a tradução de um texto se dá por partes (não necessariamente sequenciais), as quais podem ser chamadas de Unidades de Tradução (UTs). Um dos maiores desafios do processo tradutório é delimitar as UTs, sendo que às vezes uma UT corresponde a uma palavra, porém tantas outras vezes uma UT corresponde a um sintagma, uma frase, uma oração ou um período.

Para dar um exemplo de o que são UTs e como delimitá-las, cito uma frase de um texto do Traduzir com autonomia:

“Vistors who want to see how many of Brazil’s citizens live can now add the Morro da Previdência favela to their tourism itinerary.”

Pensando em termos de UTs, é interessante notar, conforme destaca Alves, a questão de que how many, normalmente um pronome interrogativo, aqui compõe duas UTs distintas: o sentido aqui não é de “quantos”, mas sim de “como” e “muitos”.

Outro trecho do mesmo texto diz:

“Six local teenagers will act as guides, showing off such sites as the Nossa Senhora da Penha Chapel […].”

Aqui, Alves destaca que show off compõe uma única UT, a qual tem o sentido diferente do de apenas show.

Há casos, por exemplo expressões idiomáticas e provérbios, em que a UT é bem mais extensa:

“A bird in the hand is worth two in the bush.”

Como provérbios não podem ser interpretados literalmente, é preciso traduzi-los de acordo com seu significado, pensando inclusive se há algum provérbio na língua de chegada que seja correspondente. Nesse caso, uma tradução possível seria “Mais vale um pássaro na mão do que dois voando”.

Também cito um exemplo tirado de um texto com o qual eu geralmente trabalho com meus alunos:

“Why not, then, have the colonists, who had been rescued from the wicked French, pay something for their own protection?”

Perceber “have the colonists _____ pay” como uma UT pode ajudar, nesse caso, a não perder de vista o fato de que essa é uma pergunta na causative form. A tradução dessa UT seria algo como “fazer com que os colonos _____ pagassem”.

Vale destacar que a delimitação das UTs não é algo objetivo. Como Alves ressalta, “as estratégias de tradução têm características predominantemente individuais”, ou seja, a delimitação das UTs de um texto de partida é subjetiva. É importante, por isso, que no ato tradutório sejamos conscientes das escolhas que fazemos, já que, ainda segundo Alves, “a delimitação das UTs é o ponto de partida para uma boa tradução”.

Termino este post com o conceito de UT elaborado por Alves:

“Unidade de tradução é um segmento do texto de partida, independente de tamanho e forma específicos, para o qual, em um dado momento, se dirige o foco de atenção do tradutor. Trata-se de um segmento em constante transformação que se modifica segundo as necessidades cognitivas e processuais do tradutor. A unidade de tradução pode ser considerada como a base cognitiva e o ponto de partida para todo o trabalho processual do tradutor. Suas características individuais de delimitação e sua extrema mutabilidade contribuem fundamentalmente para que os textos de chegada tenham formas individualizadas e diferenciadas. O foco de atenção e consciência é o fator direcionador e delimitador da unidade de tradução e é através dele que ela se torna momentaneamente perceptível.”

Cheers!

Referências:

PAGANO, A.; MAGALHÃES, C.; ALVES, F. Traduzir com autonomia: estratégias para o tradutor em formação. São Paulo: Contexto, 2011.