Aprovado em 4o lugar no CACD 2018, Luiz Carlos Keppe Nogueira nos conta sobre sua preparação para as provas de inglês do CACD!

Você já tinha conhecimentos avançados da língua inglesa quando começou a estudar para o concurso?

Meus conhecimentos eram intermediários. Havia tido a oportunidade de estudar em boas escolas de idiomas por alguns anos e de fazer algumas viagens internacionais breves nas quais aprimorei o uso da língua inglesa. Ao fazer os primeiros simulados, contudo, percebi que havia uma grande distância entre o nível que eu tinha e o que é necessário para a aprovação. Isso me estimulou a dar especial importância aos estudos de língua inglesa nos primeiros anos de preparação.

Qual foi a melhor maneira que você encontrou para estudar vocabulário novo e fixa-lo?

Para mim, o que funcionou melhor foi fazer flashcards em sites como o quizlet. Na frente do cartão, eu colocava a palavra em inglês; atrás, seu significado e uma frase exemplificativa em inglês com um espaço em branco no lugar dessa palavra. Eu, então, estudava repetidamente esses cartões, seja começando com a parte da frente e tentando adivinhar o significado, seja fazendo o inverso. Além disso, li e reli algumas vezes os verbetes que considerei mais importantes do livro “Vocabulando”, de Isa Mara Lando.

Como você estudava collocations, em particular?

Também fiz flashcards para collocations. Procurei separar aquelas mais relacionadas aos temas e ao estilo de escrita do CACD.

Que tipo de exercícios complementares aos simulados (vocabulário, gramática, tradução etc.) você acha imprescindível fazer?

Penso que a melhor estratégia é fazer uma lista de erros cometidos nos simulados, separando-os por temas, e então buscar os exercícios correspondentes. De modo mais geral, eu recomendaria exercícios sobre preposições e conectores.

Como você se preparou para a primeira fase do exame? Apenas através da resolução de questões de interpretação de texto no formato das questões do CESPE?

Procurei ler trechos de obras de diversas áreas do conhecimento (filosofia, literatura etc.), de modo a manter a fluência da leitura e da compreensão de textos mais densos e estruturalmente mais complexos. Acredito que meu foco na fixação de vocabulário também favoreceu meu desempenho nessa fase.

Você tinha alguma estratégia no que diz respeito a deixar respostas em branco?

Eu não deixava nenhuma questão em branco na prova toda, o que é uma estratégia incomum. Depende muito da confiança que se tem em ‘chutar’ as respostas. Com base nas conversas que tive com outros candidatos aprovados, não recomendaria deixar muito mais que 20 itens em branco na prova.

Em que ordem você acha aconselhável fazer as tarefas da prova de inglês de segunda fase?

A ordem que escolhi era resumo, redação, tradução e versão. Meu melhor desempenho relativo era no resumo e meu pior na versão, o que influenciou essa escolha.

Quanto tempo você acha aconselhável reservar para cada tarefa da prova de inglês de segunda fase?

1h15 pro resumo, 2h30 pra redação e as 1h15 restantes para a tradução e versão.

Como era seu processo para cada tarefa da prova de inglês de segunda fase?

No caso do resumo, eu grifava as principais ideias do texto e procurava estruturá-la em 3 parágrafos antes de começar a redigir o texto. Na redação, meu foco era seguir uma estrutura bem organizada, com introdução, 2 ou 3 parágrafos (cada um com um argumento sólido e um exemplo coerente) e conclusão. A primeira coisa que eu fazia era um ‘esquema’ dessa estrutura, com os argumentos e os exemplos que eu desenvolveria no texto.  Quanto à escrita, eu procurava redigir frases diretas e objetivas, evitando o rebuscamento desnecessário, mas sem deixar de reconhecer a importância de palavras e expressões capazes de tornar o texto mais rico. No que diz respeito à tradução e à versão, o esforço era o de buscar sempre um texto idiomático, o que demanda focar mais na estrutura das orações e na relação entre os vocábulos e menos nas palavras “soltas”.

Alguma dica de ouro para os candidatos?

Além de estudar com comprometimento, cuide do corpo e da saúde mental, preze pela rede de apoio formada pelos familiares e amigos e evite vincular seu valor pessoal e sua autoestima à aprovação nessa ou em qualquer prova. Boa sorte!

Aprovado no CACD 2018, Cauê Rodrigues Pimentel também nos conta um pouco sobre suas estratégias para as provas de língua inglesa!

1.       Você já tinha conhecimentos avançados da língua inglesa quando começou a estudar para o concurso?

Sim.  Estudei durante o colegial em uma escola de idiomas local, em minha cidade natal. Depois disso, fiquei anos a fio sem aulas de inglês, mas, por causa da pós-graduação, meu uso da língua era praticamente diário. Além disso, vivi cinco meses nos EUA, fazendo parte da minha pós-graduação em Washington. É importante ressaltar, contudo, que o CACD exige uma preparação especial, voltada para as características peculiares da prova; assim, o “background” na língua ajuda enormemente, mas ele não basta para garantir um bom desempenho, sobretudo na Terceira Fase.

2.       Qual foi a melhor maneira que você encontrou para estudar vocabulário novo e fixa-lo?

Ler, ler, ler. Lia muitos artigos – acadêmicos e jornalísticos -, além de estudar parte da bibliografia do CACD em inglês (por exemplo, li as “Eras” de Hobsbawm em inglês). Além de ler, é importante anotar: manter um pequeno caderno com vocabulário que pode ser útil na prova e, de tempos em tempos, repassar esse vocabulário, para poder fixá-lo. Confiar apenas na memória, ainda mais em um concurso que possui um volume colossal de informações, é, seguramente, uma estratégia falha.

3.       Como você estudava collocations, em particular?

Da mesma forma que o vocabulário: lendo, anotando e revisando, periodicamente, as collocations. As correções das tarefas de inglês também eram fundamentais nesse aspecto: ajudavam a corrigir imprecisões e a testar collocations que poderiam funcionar em uma situação de prova. Mais do que decorar “fancy collocations” é importante ter segurança em utilizar collocations que favoreçam a clareza e a inteligibilidade do texto, além, é claro, da naturalidade da língua.

4.       Que tipo de exercícios complementares aos simulados (vocabulário, gramática, tradução etc.) você acha imprescindível fazer?

Algo que me ajudou na prova de 2018 foi a leitura de edições bilíngues de clássicos da literatura. Essa dica vale não só para o inglês, mas também para os outros idiomas. As tarefas de tradução/versão tem alcançado níveis muito altos de exigência; assim, ler e estudar por edições bilíngues constitui, ao meu ver, um excelente exercício que abrange diversas competências que serão exigidas na terceira fase. De resto, não há segredo: o mais importante é praticar constantemente cada um dos exercícios e sempre revisar, com calma e paciência, as correções. Uma estratégia que utilizei, em 2018, foi reescrever as redações após receber as correções da Selene; acredito que esse método me ajudava a fixar estruturas, construções frasais e, principalmente, evitar a repetição de erros. Por fim, creio que mesmo que a Terceira fase esteja longe, é sempre importante manter uma rotina de exercícios dissertativos. Jamais deixe para estudar para as línguas apenas após a Primeira fase.

5.       Como você se preparou para a primeira fase do exame? Apenas através da resolução de questões de interpretação de texto no formato das questões do CESPE?

Resolvi, diversas vezes, as provas antigas do TPS. Com o passar do tempo, no entanto, esses exercícios começam a ficar “viciados”, e muitas vezes você acerta itens difíceis por meio da memória passiva dos gabaritos. Por esse motivo, quando foi publicado o edital, acabei realizando alguns simulados de Primeira fase com a Selene, para refrescar a memória. Eles me ajudaram muito, fosse pela qualidade dos textos selecionados, fosse pela semelhança lógica entre os exercícios propostos por ela e os exercícios do TPS. À parte disso, estudava mais pensando na Terceira Fase e isso acabava refletindo, positivamente, na nota de Primeira Fase. Mas ressalto que essa estratégia parece funcionar (ou funcionou, pelo menos, para mim) em inglês, mas pode ser fatal em relação às outras disciplinas, como HB, PI, GEO, etc.

6.       Você tinha alguma estratégia no que diz respeito a deixar respostas em branco?

Sempre reservei os itens em branco para as questões de vocabulário. Se você não conhecer a palavra em questão, o chute é muito arriscado. São poucos os casos em que é possível inferir o significado preciso (um exemplo é quando a banca oferece quatro possíveis traduções – quatro itens – para uma única palavra; nesse caso, é possível, por meio da inferência lógica, eliminar pelo menos um ou dois itens como certo ou errado). Dou um exemplo prático: no TPS de 2018, deixei quatro itens em branco na prova de inglês; todos eram de vocabulário. Há, também, algumas questões de interpretação que são bastante ambíguas; nesses casos, é preciso ponderar se vale a pena ou não chutar (em geral, eu acabava arriscando nesses itens e, caso houvesse possibilidade, enviava extensos recursos pós-prova).

7.       Em que ordem você acha aconselhável fazer as tarefas da prova de inglês de segunda fase?

Sempre fiz na mesma ordem: primeiro, o Summary (que ajuda a por as engrenagens do inglês em movimento); em segundo lugar, composition; depois, a tradução Inglês-Português; por fim, a versão Português-Inglês,

8.       Quanto tempo você acha aconselhável reservar para cada tarefa da prova de inglês de segunda fase?

Summary: em torno de 1 hora. Em 2018, o summary foi um pouco mais longo que o usual. Isso pode atrapalhar (como me atrapalhou) na organização do tempo.

Composition: duas horas e meia. Jamais consegui fazer em menos tempo que isso.

Tradução: 45 minutos

Versão: 45 minutos (ou o tempo que sobrar). A Versão tem se tornado o exercício mais difícil da prova e, aparentemente, aquele no qual a média das notas cai vertiginosamente, mesmo entre os aprovados. Assim, pensando pragmaticamente, se tiver que sacrificar algum tempo, no dia da prova, sacrifique o tempo da versão

9.       Como era seu processo para cada tarefa da prova de inglês de segunda fase?  

Summary: lia o texto, grifando e fazendo anotações laterais nos cantos da prova. Fazia um pequeno resumo da introdução, apenas. Os outros parágrafos escrevia sem rascunho, da maneira mais clara e objetiva possível, sem firulas e sem vocabulário rebuscado

Composition: leitura atenta do enunciado. Depois, montava uma rápida estrutura de cada parágrafo, enumerando duas ou três ideias gerais por parágrafos. Finalmente, fazia o rascunho da composition e passava a limpo (houve casos em que, por falta de tempo, escrevi a conclusão sem rascunho)

Tradução (Inglês-Português): lia o texto e circulava aquelas palavras mais capciosas, já anotando possibilidades de tradução. Nesse exercício não fazia rascunho. Passava direto a limpo e preferia, ao final, reler duas ou três vezes para corrigir erros de morfossintaxe. A maior preocupação, nesse caso, é manter o registro literário do texto original: no caso de 2018, por exemplo, era importante manter a qualidade da prosa, fazer com que a tradução soasse, ao final, como algo esteticamente literário.

Versão (Português-Inglês): lia rapidamente e depois fazia um breve rascunho. Muitas vezes, há palavras ou trechos difíceis de serem traduzidos; nesses casos, saltava essas partes (para não perder tempo demais) e tentava garantir, acima de tudo, que o texto fosse coerente e inteligível na língua inglesa (acredito que, enquanto a tradução deve prezar pela qualidade literária, a versão deve prezar pela inteligibilidade das informações do texto, sem grandes rebuscamentos).

10.   Alguma dica de ouro para os candidatos?

Keep it simple! A prova de inglês (assim como o CACD, em geral) parece, à primeira vista, uma prova hermética de erudição. Com o tempo – e muito treino (como a Selene me demonstrou) – você começa a compreender que, no fim das contas, o que realmente conta é a capacidade de passar informações corretas, de maneira clara, objetiva e que, sobretudo, respeite a estrutura do idioma estrangeiro. A prova exige certo refinamento, mas essa elegância não está no uso de palavras complexas ou construções pretensamente “fancy”, e, sim, na capacidade de apresentar um inglês limpo, com o menor número de erros possíveis e que transmita informações de modo claro. Pense duas vezes antes de usar estruturas ou vocabulários sofisticados e só os use se forem necessários; uma prova cheia desses elementos acaba passando um artificialismo que – garanto – não vai enganar a banca.

A segunda dica é ainda mais corriqueira: treine e leia muito! Familiarize-se com o idioma; tente usá-lo cotidianamente. No CACD, não há outro caminho para o sucesso.

Aprovado no CACD 2018, Victor Born Portella comenta como organizou seus estudos de língua inglesa para o concurso. As perguntas foram elaboradas por alunos meus e generosamente respondidas pelo Victor. Espero que suas valiosas dicas de estudos possam ajudar outros candidatos com as provas de língua inglesa do CACD!

1.       Você já tinha conhecimentos avançados da língua inglesa quando começou a estudar para o concurso?

Sim, já havia vivido nos EUA por mais de 1 ano. Antes, havia feito curso completo de inglês. Mas faltava uma prática mais rigorosa na escrita.

2.       Qual foi a melhor maneira que você encontrou para estudar vocabulário novo e fixá-lo?

Na realidade, não foquei tanto em vocabulário. Achava que era um trabalho pouco eficiente, em razão das poucas chances de “acertar” palavras tanto na tradução quanto nas provas de primeira fase.

Acho que isso pode ter sido um erro. Vejo que amigos que se dedicaram ao vocabulário – particularmente via flashcards – obtiveram resultados superiores na tradução (não sei se na primeira fase).

No ano de aprovação, tomei ciência disso, mas não consegui fazer muito, porque entendia que já não havia tempo hábil para esse trabalho que é de longo prazo.

Lembre-se que eu já detinha um vocabulário bem razoável. Então, também não era que ficasse usando palavras bobas. Sempre li bastante em inglês.

3.       Como você estudava collocations, em particular?

Tentava utilizá-las nas compositions. A melhor forma de memorização é, sem dúvida, o flashcard. Talvez uma segunda seja tentar associá-las a situações reais, coisas que tenham alguma afinidade com sua vida etc. Às vezes uma palavra pode soar bem, te lembrar alguma coisa, por quê não usar isso a seu favor?

4.       Que tipo de exercícios complementares aos simulados (vocabulário, gramática, tradução etc.) você acha imprescindível fazer?

Acho que a leitura constante é bastante útil. Uma leitura de artigos válidos, por exemplo, para PI, com atenção redobrada para termos interessantes (Foreign Affairs, The Economist). Acho que vale ler com uma lente própria para a prova de inglês, enfatizando menos o conteúdo, mas tomando nota de estrutura e palavras.

5.       Como você se preparou para a primeira fase do exame? Apenas através da resolução de questões de interpretação de texto no formato das questões do CESPE?

Fazia apenas as questões das provas antigas. Não me dedicava muito à primeira fase, porque tinha deficiências mais sérias. Em geral, nos TPSs que fiz, fui bem em inglês na primeira fase. Se me lembro bem, meu desempenho em 2018, na primeira fase, em inglês, fui um pouco inferior ao meu histórico na prova. Não sei se houve mudança no tom da prova de 2018 ou se foi mesmo falta de prática. Talvez um pouco dos dois?

6.       Você tinha alguma estratégia no que diz respeito a deixar respostas em branco?

Em geral, gostava de deixar entre 10 e 25 itens em branco, somando provas da manhã e tarde. Na prática, acabava marcando bastante, porque confiava na minha intuição na prova.

Há histórias de boas notas com mais de 40 itens em branco. Há histórias com ótimas pontuações marcando tudo.

Acho que cada pessoa deve testar, nas provas antigas, o que melhor funciona. Lembrem-se, candidatos experientes, que a sua intuição não é pura,  mas “contaminada” pelas provas antigas e isso é bom (se você não fez os TPS antigos, faça já!). A sua intuição pode apontar para a resposta certa. Por isso, eu acabo marcando muito mais do que deixando em branco.

7.       Em que ordem você acha aconselhável fazer as tarefas da prova de inglês de segunda fase?

Essa é pergunta difícil, novamente pessoal. Recomendo testar.

Uma parte importante é o “mecanismo” que existe dentro de nós para passar de língua para outra. Uma ideia é começar no summary, te leva a uma leitura em inglês, que ativa o inglês. A partir daí, você pode pegar a composition. Daí, pegar uma das traduções. Uma das vantagens é terminar rapidamente a composition, a parte mais importante, difícil e arriscada, na minha opinião.

Outra ideia é fazer o inverso. Começar escrevendo em português, lendo em inglês, com a tradução do inglês para o português. Daí seguir para outras tarefas.

Talvez a melhor estratégia seja começar por onde você se sente mais confiante. Essa confiança pode guiar o restante da prova. No meu caso, era o summary.

Professora Selene tem ótimas soluções para essa questão. Me ajudaram bastante no treinamento.  Mas é sempre algo pessoal, que deve ser bem testado antes.

8.       Quanto tempo você acha aconselhável reservar para cada tarefa da prova de inglês de segunda fase?

O tempo é bem confortável em inglês e deve ser usado ao máximo! Até porque dia seguinte não tem prova. Não acho boa estratégia sair rápido da sala. Use todos os minutos.

Creio que a tarefa mais difícil é a composition (Ver abaixo processo). 2 horas para composition, pelo menos, me parece o ideal. Talvez 2hs e 30min.

Summary requer uma leitura atenta e, também, a partir de 2018, pede número considerável de palavras. Sugiro 1 hora. Talvez 1h e 15min.

Daí, o tempo restante deve/ pode ser dedicado a traduções e o que sobrar com revisões de todas as tarefas, em especial, na minha opinião, da composition.

9.       Como era seu processo para cada tarefa da prova de inglês de segunda fase? 

Composition: leitura atenta da questão (desconstruir os pedidos) / bullet-points esquema / um rascunho muito bem feito com base no esquema / revisão do rascunho / redação cuidadosa / revisão da redação. Se der, revisar de novo! (evite rasuras – a aparência importa. Não fui bem nesse quesito…)

Summary: leitura rápida / leitura atenta anotando os pontos importantes de cada parágrafo / esquema sucinto dos pontos importantes, associando os temas comuns, para fazer summary com menos parágrafos do que o texto original/ redação atenta / revisão cuidadosa.

Traduções leitura geral / reflexão sobre tom da tradução / redação cuidadosa, palavra a palavra. (acatei a sugestão da Selene de perder tempo sublinhando nada. Não vale a pena. Perda de tempo.)

10.   Alguma dica de ouro para os candidatos?

Como as respostas acima dão a entender, acho que vale muito desconstruir a provas nas suas menores partes e pensar como se aprimorar em cada uma delas. Exemplo: o que é uma introdução? Qual é a minha melhor introdução? Como repeti-la sem estar inspirado? Teste alguma solução. Se falhar, tente outra.

Se torne obcecado com seus erros e, mais ainda, com as soluções para esses erros. Teste tudo antes da prova.

Falando em erros, algo que fiz errado – várias vezes – foi tentar “encantar a banca” com palavras/expressões legais que conhecia. Se você não estiver muito seguro, não faça isso! Vai no básico. Vai no conhecido. é difícil resistir a isso, mas recomendo fortemente. Você tem muito pouco a ganhar e um ponto a perder, pelo menos.

Aprovado no CACD 2017, Lauro Grott também nos conta um pouco sobre suas estratégias para as provas de língua inglesa. O diplomata respondeu às perguntas sem antes ver as respostas de Maybi Mota; depois de vê-las, ficou surpreso com as semelhanças entre as respostas e destacou que essa série de perguntas e respostas pode, de fato, esclarecer vários pontos a candidatos.

Você já tinha conhecimentos avançados da língua inglesa quando começou a estudar para o concurso?

Eu não tinha conhecimentos avançados de língua inglesa. Na minha adolescência, cursei escolas de inglês de forma esporádica. Retomei os estudos da língua estrangeira completamente enferrujado e tive muito trabalho para alcançar o nível exigido pelo concurso. Acredito, no entanto, que eventuais deficiências sempre podem ser supridas.

Qual foi a melhor maneira que você encontrou para estudar vocabulário novo e fixa-lo?

Revisar e revisar insistentemente flashcards. Há outras formas de fixar vocabulário, como tabelas ou bancos de palavras, mas esse foi o método mais eficiente que consegui encontrar para mim. Acatei às diversas sugestões que a professora Selene dava em seus feedbacks, bem como anotava quaisquer palavras que eu pensava serem relevantes para o concurso e que eu encontrava em textos de língua inglesa em geral, fossem notícias, fossem artigos ou romances.   

Como você estudava collocations, em particular?

De início, utilizei muitos dicionários de collocations, e, posteriormente, dei ênfase aos flashcards, novamente. Em particular, foram-me muito úteis aqueles que criei com base em meus próprios erros, assinalados nos simulados que eu realizava com a Selene.  Para cada erro que eu cometia, inseria um novo cartão para que as lacunas fossem suprimidas. Penso que os erros são mais didáticos que os acertos, por isso que eu dava bastante atenção a eles.

Que tipo de exercícios complementares aos simulados (vocabulário, gramática, tradução etc.) você acha imprescindível fazer?

Algum método de revisão, como flashcards, tabelas ou bancos de palavras. Por experiência, sei que diversos equívocos são difíceis de serem corrigidos, principalmente ao serem levados em conta aqueles que foram cometidos meses atrás. Não só para os estudos de línguas (mas para eles também), a revisão é essencial: não uma ou duas vezes, mas cinco, dez ou vinte – o que for necessário para se assegurar que o mesmo erro não se repita.

Como você se preparou para a primeira fase do exame? Apenas através da resolução de questões de interpretação de texto no formato das questões do CESPE?

Acredito que, em grande medida, o estudo para a segunda fase auxilia na resolução do TPS. Não é possível prever quais palavras, collocations ou expressões serão cobradas na primeira fase. Por esse motivo, cabe ao candidato  aprimorar-se em aspectos gramaticais e de vocabulário mais essenciais, sem a pretensão de adivinhar o que cairá na prova. Eu diria que, para o TPS, seria de fato imprescindível conhecer o modelo da prova, e não necessariamente preparar-se para pontos específicos que serão abordados em um ou outro item – que nós nunca sabemos quais serão.

Você tinha alguma estratégia no que diz respeito a deixar respostas em branco?

Já vi pessoas ficarem entre os 10 primeiros colocad@s no TPS marcando todos os itens ou deixando grande quantidade em branco. Acredito que o candidato deva escolher a opção com a qual se sinta mais confiante. Em inglês, eu assumia maior risco e deixava de marcar apenas os itens sobre os quais eu não tinha qualquer conhecimento, em particular aqueles sobre expressões e vocabulários aleatórios.

Em que ordem você acha aconselhável fazer as tarefas da prova de inglês de segunda fase?

Optei por seguir a ordem tradução, version, summary e composition, mas essa não precisa ser uma regra de forma alguma. Creio que a ordem em que se faz a prova não altera grandemente o resultado. Para alguns, realizar a composition primeiro traz alívio, por ser o exercício de maior peso e que leva mais tempo; para outros, realizar as tarefas menores faz que sobre mais tempo para elaborar a composition. Em suma, não há regra a ser seguida, senão a de que se faça o que deixa o candidato mais confiante.

Quanto tempo você acha aconselhável reservar para cada tarefa da prova de inglês de segunda fase?

Levando-se em conta o prazo de cinco horas da prova de 2017, eu diria, de forma geral, que o candadidato deveria reservar uma hora para a tradução, uma hora para a version, uma hora para o summary e o restante do tempo para a composition. Claro, a tradução para o português pode demorar menos do que isso – e o summary um pouco mais. A questão é saber controlar o tempo para não se perder em uma atividade e comprometer a qualidade dos exercícios que faltam serem feitos.

Como era seu processo para cada tarefa da prova de inglês de segunda fase?  

A tradução para o português era a atividade que realizava no menor período. Traduzia procurando expressões exatas e que soassem naturais.

A version talvez tenha sido a atividade mais desafiadora para mim, pois era necessário preocupar-me com a correção gramatical, com a precisão da tradução e com a fluidez do texto. O que geralmente ocorre é de o candidato focar em um desses aspectos e esquecer-se dos demais. O desafio, assim, seria manter o equilíbrio entre esses três objetivos.

No summary, adotei a estratégia de fazer um pequeno resumo de cada parágrafo que lia. Ao terminar o texto, unia as anotações de forma coesa e simplificava a linguagem, de modo que ela ficasse a mais sucinta possível.

Por fim, elaborava a composition com base no que seriam os parágrafos do texto. Definia em linhas gerais o que seria a minha tese e quais seriam meus argumentos. Iniciava meu rascunho. Policiei-me para não exagerar nas expressões e perder a fluidez do texto. No dia da prova, acabei rasurando meu texto em demasia, razão pela qual recomendo que se tenha muita certeza de que seu texto já está finalizado quando chegar a hora de transpô-lo para o caderno de texto definitivo.

Alguma dica de ouro para os candidatos?

Revisem seus erros metodicamente. Na segunda fase, mais do que engenhosidade, a prova de inglês privilegia precisão, razão pela qual se deve evitar ao máximo o cometimento de erros básicos ou de equívocos que o candidato realiza com frequência. A meta deve ser ganhar o máximo de pontos possíveis, e isso se consegue ao minimizar a margem de erros.

Aprovada no CACD 2017, Maybi Mota comenta como organizou seus estudos de língua inglesa para o concurso. As perguntas foram elaboradas por alunos meus e generosamente respondidas pela diplomata. Espero que suas valiosas dicas de estudos possam ajudar outros candidatos com as provas de língua inglesa do CACD!

 

Você já tinha conhecimentos avançados da língua inglesa quando começou a estudar para o concurso?

Sim. Minha trajetória prévia ao CACD foi 80% baseada em estudos autodidatas. Sempre busquei oportunidades de praticar inglês, mesmo que não tivesse tido acesso a escolas privadas de línguas antes da faculdade. Quando cheguei aos estudos para o CACD, já tinha tido a oportunidade de morar fora (ainda que não em país de língua inglesa) e de ter feito meu mestrado em inglês, além de ter trabalhado como tradutora de notícias por quase dois anos. Em todo caso, quando comecei a estudar para o CACD, percebi que era necessário melhorar muito ainda.

Qual foi a melhor maneira que você encontrou para estudar vocabulário novo e fixa-lo?

Meu vocabulário só aumentou quando comecei a ler de maneira sistematizada, a fazer um banco de palavras e a estudar essas palavras repetidamente. Temos a impressão de que leituras livres aumentam o vocabulário, quando, na verdade, elas são apenas coadjuvantes. Nada substitui um estudo organizado e sistemático. Além disso, as dicas da Selene sobre aplicativos e os feedbacks personalizados sempre me ajudaram bastante a atentar para a polissemia de palavras que eu julgava dominar.

Como você estudava collocations, em particular?

Eu só descobri as collocations e melhorei meu domínio das preposições com os simulados da Selene. A partir de então, comecei a estudar as correções repetidamente e a usar dicionários de collocations. Ainda que eu soubesse que os simulados devessem ser feitos no tempo e nas condições de prova para um melhor aproveitamento, as collocations que eu não dominava eu sempre checava para não memorizar errado. Comecei a atentar para collocations ao ler e trabalhar com traduções também: sempre marcava combinações que desconhecia. Por fim, também me ajudaram os “sets” que a Selene criou no Quizlet e o banco de palavras que criei com a ajuda dela, pois havia um campo para collocations.

Que tipo de exercícios complementares aos simulados (vocabulário, gramática, tradução etc.) você acha imprescindível fazer?

Meus estudos giravam em torno dos simulados. Minha meta era sempre melhorar em relação aos simulados anteriores. Assim, eu estudava meticulosamente as correções e fazia os exercícios que a Selene recomendava, particularmente os do Grammar in Use da Cambridge. Além disso, fazia exercícios e práticas nos aplicativos. Por fim, se, feito tudo isso, ainda sobrasse algum tempo, eu lia algo da The Economist com atenção ao vocabulário e às collocations.

Como você se preparou para a primeira fase do exame? Apenas através da resolução de questões de interpretação de texto no formato das questões do CESPE?

Quando fiz uma avaliação dos meus pontos fracos ao começar a estudar para o CACD, percebi que a primeira fase de inglês não era um grande desafio para mim, de forma que sempre dediquei maior tempo à preparação para a prova escrita. Aproveitava parte desses estudos para a primeira fase. No mais, nunca deixei de fazer provas CESPE (de nenhuma matéria) e fiz simulados da Selene para não perder a prática.

Você tinha alguma estratégia no que diz respeito a deixar respostas em branco?

Não. Em vários momentos, cheguei a pensar em estratégias desse tipo, mas, no meu caso, cheguei à conclusão de que isso era uma forma de procrastinar meus estudos.

Em que ordem você acha aconselhável fazer as tarefas da prova de inglês de segunda fase?

Decidi, em algum momento da preparação, não começar pela composition, pois é uma tarefa em que se pode “gastar” muito tempo sem que nos demos conta. Eu sou o tipo de pessoa que quer ficar modificando muito para chegar ao texto perfeito e, começando pela composition, eu tiraria tempo de outras tarefas. Assim, eu começava por qualquer uma das outras tarefas (a que me parecesse mais “fácil”) e deixava a composition para o fim.

Quanto tempo você acha aconselhável reservar para cada tarefa da prova de inglês de segunda fase?

Agora a prova tem 5h de duração, mas, ainda assim, sempre tentava terminar em 4h e ter tempo para revisar. Revisar é extremamente importante. Então eu diria em torno de 40min para a tradução A, 1h para a tradução B, 1h para o summary e 1:20 para a composition. Com essa 1h “extra”, eu sugeriria dar mais tempo à composition e dedicar o tempo restante a alguma das tarefas que seja particularmente difícil no ano em que o candidato realizar a prova.

Como era seu processo para cada tarefa da prova de inglês de segunda fase?

Nas traduções, eu lia com atenção cada período e, rapidamente, o parágrafo. A partir daí, começava a traduzir. Sempre que necessário, voltava a ler o período e o parágrafo, para que a tradução não ficasse muito truncada. Quando eu não conhecia a palavra, fazia uma paráfrase ou adivinhava. Deixar em branco ou errar uma palavra vai levar à perda da mesma quantidade de pontos, então adivinhar ainda te dá a chance de eventualmente ganhar um ponto.

No summary, eu lia extremamente rápido o texto inteiro e anotava palavras-chave. Apenas assim é possível captar qual é o foco do texto. A partir daí, eu resumia parágrafo por parágrafo.

Na composition, eu fazia um brainstorm e buscava formular uma tese e três argumentos principais que a sustentassem. A tese estaria na introdução e os três argumentos resumidos no último período da introdução. Esses três argumentos eram transformados em tópicos frasais de cada parágrafo do corpo de texto. Cada argumento tinha um exemplo ilustrativo. Embora fosse mais seguro fazer um rascunho básico (especialmente agora que há tempo suficiente pra isso), eu não fazia pela razão que já mencionei: eu iria querer mudar muito o tempo todo e não terminaria a prova. Em 2016, eu cheguei até mesmo a riscar a introdução e começar de novo duas vezes na folha de respostas. Imagina se eu fizesse rascunho?

Alguma dica de ouro para os candidatos?

Repetir, revisar e repetir! É muito comum ver os candidatos reprovados dizendo que precisam “aprofundar”, “melhorar os conhecimentos” e afins. Mas a alma de qualquer concurso é dominar o básico. Isso só se alcança com repetição e revisão.

Também daria uma dica mais “autoajuda”: conheça suas limitações. Eu só comecei a ser mais produtiva e eficiente quando busquei conhecer e aceitar minhas limitações. Um exemplo? Embora estivesse trabalhando apenas esporadicamente desde março de 2017, eu não conseguia mais me forçar a estudar mais de 6-7 horas líquidas por dia. Em algum momento, forcei-me a aceitar isso. Não foi fácil, mas foi necessário. E cá estou no IRBr.

Em matéria publicada pelo jornal O Globo, Maurício Costa, diplomata e fundador do curso Atlas, dá dicas para a segunda fase e afirma que  os candidatos não devem interromper a leitura e os exercícios das línguas estrangeiras (inglês, espanhol e francês), mesmo antes de completarem a segunda fase. É uma forma, ele garante, de manterem atualizado o conhecimento que já adquiriram nessas disciplinas.

Leia aqui o artigo na íntegra!

Cheers!

Em entrevista concedida à Folha Dirigida, o diplomata Mauricio Costa, além de explicar os atrativos da carreira diplomática, afirma que os candidatos ao exame devem intensificar seus estudos princialmente de inglês e língua portuguesa, já que são as disciplinas com maior número de questões na seleção. Ele ainda afirma que são essas disciplinas que devem definir o destino do candidato na primeira etapa.

“O conselho mais importante é garantir desempenho de alto nível em Português e Inglês, sem abdicar do estudo das demais disciplinas. Neste ano, pela primeira vez, a nota da primeira etapa será somada ao resultado final, o que deverá afetar significativamente a classificação final do concurso”, explicou.

Clique aqui para ler o artigo completo.

Cheers!