Na Composition, a banca espera que os candidatos tomem um posicionamento com relação à questão que é apresentada. Isso quer dizer, em primeiro lugar, que a redação não dever ser um texto essencialmente descritivo; é claro que algumas coisas na redação podem ser descritas (como, por exemplo, processos históricos), mas a descrição, nesse caso, teria o objetivo de auxiliar o desenvolvimento de uma linha argumentativa. Em outras palavras, a composition deve consistir no desenvolvimento e na corroboração de uma tese claramente declarada a respeito da questão proposta.

Em se tratando de um texto, portanto, argumentativo, é essencial que todo argumento seja embasado em evidências. Ao indicar que aquilo que você está defendendo tem respaldo por meio de referências a evidências, o argumento é desenvolvido de forma menos abstrata e genérica e se torna mais convincente. Evidência, então, é tudo aquilo que auxilia na demonstração da validade de um argumento: dados estatísticos, exemplos, citações de autoridades etc.

Fornecer evidências é algo fundamental na Composition, pois isso será avaliado na seção de organização e desenvolvimento de ideias (que corresponde a 20 dos 50 pontos da Composition), como bem lembra o Manual do Candidato (2013, p. 61): “Remember to provide evidence in support of your points – preferably from several sources. In 2010, general compositions which did not give appropriate examples to back up their points scored very low marks for Plan and Development of Ideas“. Note abaixo alguns comentários do examinador que revelam a importância do desenvolvimento argumentativo com base em evidências:

"Very superficial comments and few specifics, but kep to the question. Would have benefitted from some more examples to illustrate the broad points made."
“Very general comments and few specifics, but kept to the question. Would have benefitted from some more examples to illustrate the broad points made.”
“Very superficial arguments, could have included more concrete examples to reinforce ideas presented.”
needforevidence3
“Poor, weak structure and did not really express an opinion. Lack of examples.”

Assim, ao planejar sua redação, certifique-se de que você tem uma tese clara (e diretamente relacionada à questão proposta), argumentos para desenvolver essa tese e evidências para confirmar cada um de seus argumentos.

Cheers!

Fontes:

Manual do Candidato

The Writing Center @ UNC

Anúncios

Ater-se ao tema proposto pela banca na tarefa Redação, na terceira fase, é de suma importância, visto que ao menos os últimos editais estabelecem que ao texto que for desenvolvido sobre tema geral e não sobre o tema proposto será atribuída nota final zero:

“10.3.2.1 […] Será atribuída nota 0 (zero) à redação a respeito de tema geral que não se atenha ao tema proposto […].(Edital 2014)

Antes de começar a planejar sua redação, portanto, é essencial que você tenha certeza de que compreendeu qual é o tema proposto e de que sua tese aborda diretamente a questão apresentada. É isso o que também sugere o Manual do Candidato (2013, p. 59), ao afirmar que o primeiro passo na fase de organização das ideias deve ser “consider the topic very carefully and make sure you grasp the meaning”.

No CACD 2012, por exemplo, as instruções da redação diziam:

“Taking due account of the text above and of China’s strategic objectives, comment on how its participation in the BRICS might fit into this framework.”

Muitos candidatos que, na ocasião, desenvolveram textos sobre os BRICS, de forma ampla, não atacando diretamente a questão dos interesses da China nos BRICS, não chegaram a ter nota zero em suas redações, mas tiveram notas de organização e desenvolvimento de texto muito baixas. Note os comentários do examinador:

Candidatos que, por sua vez, não desenvolveram o tema de forma ampla, restringindo-o, mas que também não desenvolveram o tema conforme as instruções tampouco obtiveram boas notas em termos de organização e desenvolvimento de texto. Veja o comentário do examinador:

Assim, ao ler a proposta, certifique-se de que você a compreende e elabore sua tese – e, consequentemente, seus parágrafos argumentativos – diretamente com base nela.

Cheers! 

A tarefa da Redação pode ser considerada a mais importante da prova de inglês da Terceira Fase do exame, já que ela, pelo menos desde 2007, vale 50% do valor total da prova. A Redação vale 50 pontos, os quais são distribuídos em correção gramatical (20 pontos), qualidade da linguagem (10 pontos) e organização e desenvolvimento de ideias (20 pontos). Dado o peso que a tarefa tem na prova de Terceira Fase e visto que a organização do texto é um critério de correção, é essencial que o candidato saiba escrever um texto coerente e que, para isso, desenvolva a estrutura de seu texto a partir de uma thesis statement no parágrafo introdutório.

Coerência

Para discutir a importância de se desenvolver a argumentação de uma redação com base em uma thesis statement, partimos aqui da premissa que uma redação é um tipo de texto (em sentido amplo) e que um texto só “faz sentido” quando há continuidade de sentidos entre os conhecimentos que são ativados pelas palavras e expressões (De Beaugrande e Dressler, 1996). Quando o receptor do texto não consegue descobrir essa continuidade de sentidos, o texto “não faz sentido”. Essa continuidade de sentidos é o fundamento principal daquilo que chamamos, em linguística, de coerência. Assim, para que o texto seja coerente, é preciso garantir não só que haja continuidade de sentidos ao longo do texto, mas também que o receptor do texto – no nosso caso, a banca examinadora – seja capaz de descobri-la.

Quando usamos palavras e expressões em um texto, os conceitos a que elas remetem e a relação que visamos estabelecer entre esses conceitos são armazenados em nossa mente. Como a capacidade de armazenamento do cérebro é limitada, a melhor forma de tornar mais eficiente esse armazenamento é por meio da integração desses conceitos e relações (De Beaugrande e Dressler, 1996). O receptor do texto pode ter dificuldade em processar ideias e argumentos não esperados porque ele pode não conseguir processar essas ideias como parte de um padrão integrado – e assim precisa armazenar essas ideias separadamente, o que é mais difícil, até que consiga encontrar algum padrão no qual todas as ideias se acomodem e se relacionem. É desejável, portanto, que ao escrever um texto declaremos, logo em seu início e de forma concisa, quais são as ideias com as quais lidaremos no texto e qual é a relação que pretendemos estabelecer entre elas. Essa declaração pode ser feita no parágrafo introdutório da Redação.

A Introdução e a Thesis Statement

A introdução de uma redação argumentativa é a seção em que inicialmente se escreve, de forma mais geral e brevemente, sobre o tema proposto e depois se declara de que forma esse tema será delimitado e abordado ao longo do texto. Essa delimitação do tema – que de alguma forma é o posicionamento do autor do texto com relação ao tema – logo na introdução do texto cria expectativas no receptor do texto, servindo como um guia para que ele acompanhe sua argumentação. É muito comum que essa condensação da argumentação a ser desenvolvida seja encontrada na última frase da introdução, a qual é chamada de thesis statement.

A thesis statement pode ser definida, de forma simples, como a frase que responde a pergunta que você explora em sua redação. Sim, é preciso ter uma pergunta – mesmo que o examinador não faça uma diretamente -, caso contrário o desenvolvimento da argumentação sobre o tema se dará sem um recorte, o que muito provavelmente levará a um texto sem continuidade de sentidos, ou seja, sem coerência. Assim, para que a Redação seja coerente, não basta que ela seja sobre o tema proposto, mas é importante que ela seja desenvolvida com base em uma pergunta que se faz relacionada ao tema.

Pode ser que essa pergunta já venha proposta como pergunta mesmo. Foi o caso, por exemplo, da tarefa da Redação no CACD 2010:

Tarefa da Redação do CACD 2010, tirada do Guia de Estudos de 2011 (p.57)

Fica claro pela análise da tarefa que o tema da redação é “mudanças nas ações do Conselho de Segurança após o fim da Guerra Fria” e que a pergunta a ser respondida é “de que formas, além da mencionada pelo trecho citado, essas ações mudaram?”. A thesis statement deve ser uma frase concisa, localizada no fim da introdução, que responda essa pergunta – e a partir da qual os parágrafos argumentativos serão desenvolvidos. O candidato que teve sua redação publicada no Guia de Estudos de 2011 escreveu a seguinte introdução:

Introdução da Redação publicada pelo Guia de Estudos de 2011 (p.57)

Vemos nessa introdução, nas duas primeiras frases, alguns comentários mais gerais sobre o tema e depois, na terceira e última frase, uma thesis statement objetiva, específica e concisa. Após ler essa introdução, o receptor esperará ler um texto sobre (i) how peacekeeping operations have been enhanced, (ii) which new topics have been introduced at the top of the agenda of the council e (iii) which stiffer verification mechanisms have been conconcted – sendo que cada uma dessas ideias deve ser desenvolvida em parágrafos distintos (leia aqui essa excelente redação na íntegra para ver como o autor desenvolve a argumentação).

Também pode acontecer de a banca examinadora não propor uma pergunta diretamente – caso no qual é aconselhável que se transforme a proposta em uma pergunta para facilitar a elaboração da thesis statement. Foi o que aconteceu, por exemplo, no CACD 2009:

Tarefa da Redação do CACD 2009, tirada do Guia de Estudos de 2010 (p.63)

O tema da Redação era o debate político contemporâneo sobre a migração. No entanto, a banca não queria qualquer abordagem sobre esse tema. Não se esperava, por exemplo, uma redação que respondesse a pergunta “quais foram as situações históricas que levaram aos atuais problema relativos à migração humana?”. É importante que isso seja ressaltado porque entender qual é a pergunta que deve ser respondida é essencial para o desenvolvimento da thesis statement e, em última instância, da linha de argumentação da redação. E a pergunta que deve ser respondida é a pergunta proposta – direta ou indiretamente – pela banca, sob pena de perda de pontos de organização justificada por comentários como:

A pergunta que deveria ser discutida nesse caso era “what are the issues involved in the contemporary political debate on migration?“. O candidato que teve sua redação publicada no Guia de Estudos escreveu a seguinte introdução:

Introdução da Redação publicada pelo Guia de Estudos de 2010 (p.63)

thesis statement fica clara na última frase da introdução, mostrando para o receptor do texto que são três, na opinião do autor, as principais questões relacionadas ao debate – sendo que cada uma delas será desenvolvida em um parágrafo separado ao longo da redação (leia aqui essa também excelente redação na íntegra para ver como o autor desenvolve a argumentação).

Dessa forma, para que possamos garantir que a banca examinadora consiga acompanhar a continuidade de sentidos da Redação – e assim julgá-la coerente – o parágrafo introdutório da Redação deve, inicialmente, conter breves informações mais gerais sobre o tema, e depois uma frase que condensa a resposta à pergunta proposta, frase a qual deverá ser o ponto de partida do texto argumentativo.

A strong thesis statement

Para certificar-se de que você escreveu uma strong thesis statement, pergunte-se:

– Eu sei qual é o tema da redação? Eu entendi qual é a pergunta proposta dentro desse tema, a qual minha thesis statement deve responder? A minha thesis statement de fato responde essa pergunta?

– A minha thesis statement é objetiva e trata de apenas uma ideia principal? Será que ela não está muito complexa, trazendo mais elementos do que eu serei capaz de explorar em uma redação de cerca de 400 palavras?

– A minha thesis statement está específica o bastante, ou está muito geral? (Evite uma thesis statement que fale sobre advantages, disadvantages, causes, problems, effects etc., porém apenas de forma geral, sem especificar quais advantages, causes etc.)

Cheers!

Referências

De Beaugrande, Robert e Dressler, Wolfgang. Introduction to Text Linguistics. New York, 1996, pp. 84 – 112.

Writing Tutorial Services da Indiana University Bloomington (acessado em 26/10/12).