TPS 2018 | Impressões gerais

Agora que já comentei cada item de cada questão da prova de inglês, deixo, aqui, algumas breve impressões mais gerais sobre a prova objetiva de língua inglesa deste ano, pensando, principalmente, no que podemos aprender para as próximas provas.

Por ter um total de seis textos, alguns longos e mais complexos em termos semânticos, a prova deve ter sido mais cansativa que a do ano passado (quando a prova teve cinco textos, mas apenas um deles de maior extensão) e mais difícil de concluir dentro de um tempo que não prejudicasse as outras disciplinas. No entanto, um dos textos longos, o texto VI, nem precisava ser lido na íntegra, já que todos os itens da questão sobre o texto eram sobre vocabulário. Os candidatos que leram a questão antes de ir ao texto podem ter economizado tempo aqui; a leitura da questão antes da leitura do texto correspondente pode ser uma boa estratégia de prova.

A maior parte dos textos estava relacionada a discussões sobre diplomacia, e não é surpreendente que, ao menos com base no que me disseram alguns alunos, os textos considerados mais difíceis são os que não versavam sobre esse tema — em particular, o texto sobre My Fair Lady. Para a prova de primeira fase, é importante estar preparado para qualquer tipo de texto: por exemplo, a prova apresentou, em 2015, um texto literário (quem não se lembra de Orlando, de Virginia Woolf? rs) e, em 2012, um texto sobre astronomia. Toda e qualquer leitura na língua inglesa contribui para o incremento de várias competências no idioma, e ter contato com campos semânticos e campos associativos diversos pode ser uma vantagem na prova.

Assim como em outros anos, as vocabulary-related questions vieram em grande número: mais de 50% dos itens testavam exclusivamente os conhecimentos lexicais dos candidatos. Não me cabe discutir se isso é justo ou se isso de fato avalia quem deve ir para a segunda fase (ou, em última instância, tornar-se um diplomata): o que acho importante destacar é que, para este concurso, não adianta só estudar gramática de forma sistematizada; é preciso dar o mesmo tratamento aos estudos de vocabulário. Até porque a resolução das reading comprehension questions (que somaram quase 40% da prova este ano) também requer boa competência lexical.

Cheers!

Selene Candian

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s