TPS 2015 | Recursos interpostos

Após a divulgação do gabarito preliminar do TPS 2015, interpus alguns recursos na categoria discordância do gabarito, os quais divulgo abaixo. Não houve deferimento em nenhum dos casos, mas divulgo o texto dos recursos porque acredito que possa ser de interesse – e também como justificativa de meus comentários sobre as questões.

Questão: 32

No item 3, não há indicações no texto de que seu autor esteja apresentando as ideias principais da maioria dos trabalhos acadêmicos mais recentes. Em textos acadêmicos, como é o caso do texto de Andrew F. Cooper, muitas vezes seus autores não apresentam as ideias principais da bibliografia à qual se referem, mas sim uma seleção de argumentos que lhes interesse para o desenvolvimento argumentativo de seus próprios textos. As técnicas de seleção de argumentos são variadas (Cf. KANE, Thomas S. The Oxford Essential Guide to Writing. Nova York: Berkley Books, 2000, pp. 23-28), e não há indicações no texto de qual técnica foi usada por Cooper. Assim, não é possível determinar, apenas com base no excerto do texto que consta da prova, se Cooper fez referências às ideias principais ou às ideias que mais lhe interessaram, e pode haver alguma diferença entre esses dois conjuntos de ideias.

Além disso, o argumento de Cooper não é “built on” essas ideias que ele apresenta no primeiro parágrafo. No item, a estrutura que está sendo usada é “build something on something else” – só que na voz passiva -, e, quando “build” tem um objeto direto, seu sentido é de “base something on an idea or thing”, como no exemplo “Our relationship is built on trust” (Cf. http://goo.gl/CVaMBN). O argumento de Cooper não tem como base as ideias citadas no primeiro parágrafo, o que fica claro logo no início do segundo parágrafo, quando ele emprega “yet” para introduzir uma oposição entre o seu argumento e as ideias citadas. Enquanto as ideias citadas tratam da complexidade e da abrangência da diplomacia, seus argumentos estão relacionados à centralização, à hierarquização e à dependência de líderes que, a seu ver, caracterizam a diplomacia. “Build on” pode ter o sentido de “use your achievements as a base for further development”, mas o “verb pattern” é diferente daquele que foi usado no item, já que “build”, nesse caso, não tem objeto direto (como em “The new plan will build on the success of the previous programme”).

No item 4, por sua vez, o autor apresenta, no quatro parágrafo do excerto que consta da prova, uma oposição entre “club diplomacy” e “network diplomacy”: na “club diplomacy”, as decisões são tomadas principalmente por líderes que são “insiders” da diplomacia, enquanto que, na “network diplomacy”, as decisões podem ser tomadas por “outsiders”, desde que eles tenham conhecimento técnico, credibilidade institucional e recursos para melhorar os resultados. Assim, esses dois tipos de diplomacia são não só diferentes, mas também incompatíveis, já que a “club diplomacy” enfatiza a organização vertical do corpo diplomático, enquanto que a “network diplomacy” vislumbra a possibilidade de que alguém que não seja parte do corpo diplomático seja um líder em processos de tomada de decisão. Além disso, ambos os tipos de diplomacia podem ser considerados formas de resolução de conflitos internacionais, já que essa é uma possível definição para “diplomacy”. Christer Jönsson afirma que a definição de diplomacia é “a bone of contention” e dá diversos exemplos de definições no capítulo “Diplomacy, bargaining and negotiating”, algumas das quais contemplam a resolução de conflitos internacionais (Cf. CARLSNAES, Walter et al. (org.). Handbook of International Relations. Londres: SAGE, 2006).

Questão: 33

No item 3, “principals”, palavra que consta do texto e que é citada no item, certamente está em contraposição a uma organização horizontal da diplomacia, já que sugere alguma hierarquização vertical, pois “principal” quer dizer “the main person in a business or organization, who can make important business decisions and is legally responsible for them” (Cf. http://goo.gl/o80RPl). Se “principal” é a pessoa de maior importância, isso quer dizer que há pessoas de importância menor em termos hierárquicos, o que se contrapõe de forma clara a uma organização horizontal.

Questão: 44

No item 2, “blaze a trail” quer dizer, de acordo com o Dicionário Porto de Inglês-Português, “abrir caminho; ser pioneiro; ser percussor”, mas “open a glowing and intense path as a result of her work” não é uma paráfrase fiel da expressão. Além disso, “glowing path” e “intense path” não são colocações frequentes na língua inglesa (não há qualquer ocorrência de “intense path” no Corpus of Contemporary American English e a única ocorrência de “glowing path” no mesmo “corpus” traz um sentido de “glowing” que não se aplica ao texto do item – “glowing” no sentido de “shining with a soft warm light”). Isso significa que falta idiomaticidade ao item, o que causa dificuldades para a compreensão do significado do item. Conforme proposto por Michael Lewis (The lexical approach: the state of ELT and a way forward. Londres: Language Teaching Publications, 1993), reconhecer colocações frequentes é essencial para compreender sentidos, já que um idioma não é “lexicalized grammar”, mas sim “grammaticalized lexis”, sendo que “collocation” é o maior componente de “grammaticalized lexis”.

Cheers!

Posted In:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s